» segundo

Sinto-me cheio.
Demasiados demónios interiores com os quais lidar.
Guardar tudo cá dentro está a dar cabo de mim,
De nós.
Deito-me no sofá e fixo o olhar no ecrã da televisão,
Apático.
Não há circos que me alegrem.
Tão pouco o concerto gratuito numa qualquer rua da capital.
Hoje não me vou armar em herói.
Sou eu quem precisa ser salvo.