» quadragésimo terceiro

Andava eu feliz e contente nas compras logo pela manhã quando fui surpreendido por uma valente dor de barriga. Não é que não goste de usar casas de banho públicas mas quando o assunto anda à volta da tripa, a vontade ainda se torna menor. Mas aqui não tive como fugir. E lá fui!
Como me encontrava numa das muitas superfícies comerciais da capital portuguesa, foi só seguir a sinaletica e voyla, o paraíso à minha frente.
Empurro a porta de vidro, esperando não encontrar ninguém, e dou logo de caras, na zona dos urinois, com dois marmanjos a comerem-se enquanto se acariciavam nas partes baixas. Assim que deram pela minha presença, pararam o que estavam a fazer e viraram se para os seus respectivos urinois, como se continuassem a mijar.
Eu dei meia volta e sai, à procura de outro wc menos agitado.
Eu já tinha ouvido falar destas festas nestes locais mas confesso que é algo que me incomoda. E nem é pelo facto de serem duas pessoas do mesmo sexo porque essa é mesmo a minha praia.
Mais uma para contar aos netos que nunca terei, sobre coisas que nunca cheguei a fazer!

imagem [aqui]

» quadragésimo primeiro



A hora rondava as 17.
Nos jardins de Belém, em Lisboa, circulava-se por entre os numerosos turistas característicos da altura e da zona. Os pastéis de Belém continuam a ter o seu encanto e até aqui, tudo muito bem.
Mas (e há sempre um “mas” nestas histórias) nem só de pão vive o homem e há quem aproveite para juntar o útil ao agradável. Elas que o digam!
Dêem agora uma vista de olhos à fotografia de cima. Com alguma atenção (também não é preciso um QI acima da média para lá chegar), percorram toda a imagem com os vossos olhos. Se sentirem alguma dificuldade, ampliem-na, usem uma lupa, vão buscar os óculos “fundo de garrafa” dos vossos avós…

É caricato não é?


Para aqueles que num acto de desespero pediram a ajuda do público mas que, ainda assim, de nada lhes adiantou, disponibilizo a solução já a seguir…

Boneco insuflável debaixo do braço de uma mulher


fotos minhas 
Agosto 2011