» quadragésimo nono

O meu amor – Rodrigo Saturnino – traiu-me.
Podia ter sido mais, mas não foi! Um ano e três meses foi o tempo que levou até o meu amor achar que podia deitar tudo a perder. E deitou mesmo!
Eu tive uma sensação estranha de que havia algo mais para além do motivo da nossa última discussão. Aliás, o outro – Pedro Pombo – estava presente no dia em que o caldo entornou. Mal sabia eu que depois de me vir embora é que a festa ia começar (era o aniversário do meu amor).
Depois desse dia, sabe-se lá o que ainda aconteceu…
Por isso, e em jeito de conclusão, agradeço o facto de se terem inventado os telemóveis. Não fosse esse bendito aparelho e eu ainda estaria na santa ignorância. Custa ver o nosso amor a trocar mensagens com outro, dizendo-lhe que o quer na sua cama. Mas custa ainda mais esta sensação de pequenez que ficou entranhada em mim desde a descoberta.
Podia ter sido mais, mas não foi!
Paro por aqui…tenho uma mensagem via facebook para enviar. O outro deve ficar contente com a novidade.

Anúncios

One response to “» quadragésimo nono

  1. Não compreendo e nunca hei-de compreender o porque das traições e o porque de agir nas costas dos outros. É coisa de gente pequena. Acho que até consigo compreenser que se cometa um ou outro excesso ou ser infiel mas o fato de omitir ou esconder ou mentir… não compreendo.

    Muita força!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s