» quinquagésimo

Tem dias que “fazer merda” torna-se um lema de vida.
Nesses dias, vicio-me de todas as formas que posso. E ainda assim, é pouco.
Arranco de mim toda a pele morta e ilumino-me de luz negra. Alimento-me.
Como da maçã do pecado e espero ansioso pelas consequências que tardam a chegar.
Afogo-me em Super Bock até que um qualquer Mr. Hyde, bruto e lascivo, dê à costa.
Maltrato pelo belo prazer de maltratar. E gosto.
Inalo, injecto, engulo.
Como, bebo e fodem-me.

Ou então, sento-me na pia e cago até sair tudo.
“Ah, que bom” penso, aliviado.