» nonagésimo terceiro

Os relacionamentos já não são como os de outrora.
Hoje em dia, um individuo que não seja bissexual é quase apontado como um erro evolutivo. Alguma coisa falhou para não se ter dado o upgrade.
Está na moda ser-se bi. Yeahhh baby, dupla possibilidade de engatar, quem é que não quer? É quase como que uma desculpa para a promiscuidade a que cada um se sente obrigado. Sejamos bissexuais e poderemos foder o quanto quisermos sem ter que dar satisfações e sem correr o risco de ficar com a mala à porta de casa.
– Eu sou assim mesmo, bi, é a minha natureza. Não há como me controlar! – dizem eles, à boca cheia.

Tenho uma amiga hetero que se envolveu com um gajo bi e eu bem sei a puta da loucura que aquilo tem sido!
Mas depois, tem o outro lado. Para além de o partilhar com outro homem, completamente doido por sinal (personagem daquelas das novelas), vê-se envolvida em tramas cheias de drama e de confusões que ninguém merece. Até mesmo para ela, que até aceita a relação a 3, a coisa tem dias que fede mesmo.

A ultima proeza do rapaz é digna de um prémio da academia, ainda por categorizar. Depois de uns 5 dias sem lhe dizer nada, liga-lhe:
– Tu tás chateada comigo não é?
E a minha amiga, ingénua que só, respondeu-lhe que achava ser o contrário já que tinha sido ele a não dar noticias.
– Estás chateada comigo sim, a outra já te deve ter contado que mudei para a casa do A..
E assim cai uma bomba.
Ainda no mês passado, tinha-lhe prometido que até ao final do ano estaria livre do outro. Ela que ficasse descansada porque os planos de ambos seriam realizados a partir daí. Em vez disso, e duma hora para a outra, foi viver com ele!
Que se lixe a puta da loucura! Puta que o pariu, mas é, a ele!

Anúncios

14 responses to “» nonagésimo terceiro

  1. Bro,

    O tema tem, quase literalmente, necessidade de pano para mangas.

    Genuina por si só, e válida pela sua autenticidade, a bissexualidade não é um monstro. Não mais do que a heterossexualidade, ou do que a homossexualidade. Desconfio, porém, que muitas alminhas pouco corajosas se refugiem na bissexualidade como meio termo mais ou menos aceitável que lhes permite introduzir o assunto da homossexualidade gradualmente… para que a ferida nos outros seja infligida com o mínimo de dor possível.

    Nenhum Homem é uma ilha e todos nós sentimos necessidade de acolher em nós a aceitação do outro. Porém, esta aceitação muitas vezes é conseguida à margem de nós próprios.

    Seja como for, estes são, à luz do tema que desenvolves, outros quinhentos.

    Independentemente da orientação sexual de cada um, é um facto inegável que, quando cada um quer, cada um mente, cada um se acobarda, cada um deixa nas mãos do outro a culpa que também é sua.

    Acreditar que um gajo vai trocar outrO por mim é tão escusatório como acreditar que um gajo vai trocar outrA por mim. A bissexualidade aqui, no seio da traição, é quase irrelevante, a meu ver.

    Não caberá a todos nós, em plena consciência do mundo em que estamos inseridos, procurar as nossas próprias defesas para potenciais delitos, mais do que procurar culpas externas que, no fundo, e por muito que possam explicar uma determinada dor, não ilibam o/a próprio/a das decisões tomadas por ele/a mesmo/a?

    Acreditar em alguém é apenas isso: acreditar. Não é de todo, nem inevitavelmente, fazer da crença uma categórica verdade, esquecendo que nos outros encontramos as mesmas fraquezas que em nós próprios.

    Não estará o sabor da vida provável precisamente no reconhecimento que ela é feita por nós também, e não apenas pelos outros?

  2. bro,

    A bissexualidade não é, certamente, um monstro! Que hipocrisia seria a minha se assim a tratasse? Não, de todo.
    Aqui a questão fulcral é baseada em dois pontos:
    – o incumprimento associado ao compromisso, ainda que para uma relação a 3;
    – o refugio na bissexualidade como desculpa para os erros continuados, os que já aconteceram e os que ainda estão para vir (porque eles continuaram a aparecer).

    Faço uma analogia.
    Vamos pensar na relação que existe entre mim e o nosso governo, por sua vez relacionado com uma grande empresa com fundos aplicados em off-shore.
    O governo aumenta-me os imposto e eu comprometo-me a pagar cada tostão a mais no intuito de um futuro mais risonho. Por outro lado, porém, nada é cobrado sobre os milhões que a empresa tem aplicados lá fora. A ideia era todos pagarem, de igual forma.
    Eu aceito esta relação a 3, mas dêem-me razões para acreditar nela e para querer mantê-la. Não quero ser o trouxa, mais um elemento do povo que lava no rio que continua a ser enganado por um governo que só sabe fazer isso, ainda que o compromisso fosse outro.

  3. rapaz,

    entendo. os pontos de vista são sempre diferentes, porque vemos as coisas a partir de localizações distintas.

    eu não me quis armar em caçador de bruxas. apenas vi a coisa por um prisma que me fez lembrar um pouco as histórias do coitadinho.

    cada um saberá com que linhas se alinhava. qualquer comentário exterior será sempre tendencioso e arriscado.

    truce?

  4. Desses, apesar de serem do chinês, já tenho uns quantos e mesmo assim…
    Não é por aí bro. Estou é a precisar de voltar ao Centro Espirita do Pai João do Dafundo para surgir como um novo homem!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s