» centésimo sexagésimo quinto

Não tive escolha.
Depois de um fim-semana em que pouco falámos e de algumas discussões ao telefone, enchi-me de coragem e passei lá por casa para por um ponto final na relação que ele afirmava já ter terminado há muito tempo. Sentei-me à sua frente e com os olhos carregados de lágrimas, e a voz visivelmente alterada, dei por terminado aquilo que ainda restava. Ele assim o quis.
Acusou-me depois de ser um “drama queen” quando lhe disse não querer manter uma amizade. Tê-lo em contacto comigo faria doer ainda mais, eu conheço-me.
Dois dias depois, e sem noticias até então, escreveu no seu blog pessoal:

“Esta dor é tão doída que me fez furar um mamilo em tua homenagem. É tão doída esta dor, que me faz enviar músicas do Chico para você no meio da noite. É tão doída esta dor que me fez declamar palavras fúteis à espera do teu “não” institucional. Esta dor é tão doída.”

Há pouco mandou-me um SMS onde se podia ler:

“Sei que você me pediu para não comunicar. Mas está muito dificil. Eu sou confuso, mas sou muito sensível.”

He’s driving me crazy…

» centésimo sexagésimo quarto

IMG_4552


Continuo – e continuamos – a passar fins-de-semana completos lá para os lados da praia do Meco.
Monta-se a tenda no meio de pinhas e pinheiros e acorda-se envolto naquele aroma caracteristico. A primeira coisa que se vê quando se abre a porta da tenda – ainda no seu interior – é um imenso oceano azul. E consegue-se ouvir o som das ondas a bater na areia, ali tão perto.
As saladas de polvo são uma constante. Cerveja é coisa que também não falta.
E aqueles balneários cheios de badalos a dar a dar? Ui, ui…
Um autêntico bálsamo.

Pergunto: será louco aquele que ainda gosta de acampar?

_ _ _
foto minha
Agosto 2013